Marcelo Rezende

Por Géssica Brandino (jornalista)

Foto: Vinícius Gorczeski (4º ano/ Metodista)

Marcelo Rezende

Marcelo Rezende, repórter da “TV Record” e com mais de quarenta anos de carreira, é conhecido por tocar em feridas sociais. Já investigou de tráfico de armas a corrupção no futebol. Rezende ficou ainda mais conhecido quando entrevistou o motoboy Francisco Assis Pereira, o assassino em série que ficou conhecido como “Maníaco do Parque”, e mostrou o abuso de força da blitz policial no caso da Favela Naval, em Diadema, São Paulo.

Repórter: O que você acha da iniciativa do Congresso, que cria um espaço para pensar e discutir Jornalismo Investigativo?

Marcelo Rezende: A iniciativa é fundamental, porque tem muita gente começando na profissão e isso ajuda a desmistificar a coisa glamourosa que o jornalismo investigativo parece ter. Nós sabemos que esse é um trabalho difícil, complicado e, fundamentalmente, um trabalho onde não é que a sua vida esteja em risco, mas tudo está, até a vida daquele que você vai denunciar. É um trabalho longo e que as empresas nem sempre têm capacidade financeira de manter. Você tem que manter um repórter, quando é televisão é pior, porque tem que manter uma equipe inteira, durante meses, aparentemente sem fazer nada.

Repórter: O que você acha que um jornalista que deseja seguir a área de investigação deve ter?

M.R: Ele tem que ter um grande poder à frustração. Saber quando parar a investigação quando as coisas não se casam. Aí se sofre muito, porque você imagina que está no caminho certo e, de repente, perdeu meses e o caminho era outro. Então, trabalhar com a frustração é fundamental para quem quer seguir por esse caminho.

Você que já está nesse caminho há muito. O que te move e faz seguir dentro do jornalismo investigativo?

M.R: Olha… isso brotou na minha vida de maneira natural.  Eu nunca pensei em fazer isso, assim como eu nunca pensei em ser jornalista. Meu projeto de vida era ser mecânico. Eu tinha outra ideia para mim. Casualmente, entrei numa redação de jornal. Fui ajudar um sujeito, ele era diretor do jornal, me convidou e eu fiquei. Eu tinha 17 anos de idade. Acredito que o que me move e me faz permanecer é o fato de acreditar que este é um trabalho de utilidade pública. A gente trabalha para tentar melhorar a sociedade, não nós, jornalistas investigativos, mas o conjunto todo daquilo que apresentamos, seja judiciário ou policial, todos trabalhando para melhorar a sociedade. Acho que isso é quase uma missão.

Anúncios
  1. luzia sousa gonçalves

    ola macelo gostaria de saber se gostaria de fazer uma grande reportagem sobre as mulheres brasileira que vive em portugal a ser prostituir e vive inlegal no pais vive reprinida e trancada sobre presao pelo donos dos clube se vc entereça me ligar 0051911721341

  2. luzia sousa gonçalves

    eu gostaria de fazer uma reportagem sobre a emigraçao dos brasileiros que vivi em portugal

  3. Marcelo olå? Você é nota 100000000000000. Sou sua admiradora incondicional. Estarei sempre orando por você e toda sua casa. Deus està contigo 365 ou 366 dias do ano, creia nisso você nunca estarà sò.Você è uma pessoa favorecida e iluminada por Deus. Um forte, grande e respeitado abraco de sua admiradora incondicional: Elaine

  4. jesus wilmar da silva

    Gosto muito do reporter MARCELO RESENDE e gostaria de saber onde ele está atuandoe qual horário para ver suas reportagens abraço deste amigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: