Arquivo da categoria: Jornalismo Internacional

X Curso sobre Jornalismo e Conflitos Armados é lançado no 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo

Por Luana Copini (4º ano/Mackenzie)

Fotos: Vinicius Gorczeski (4º ano/Metodista) e Luana Copini (4º ano/Mackenzie)

Sob o comando do jornalista João Paulo Charleaux (Últimas Instâncias) foi apresentado aos jornalistas e estudantes universitários, que participaram da palestra Medidas de proteção para jornalistas em cobertura de conflitos armados, neste último dia 30, na Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, o X Curso sobre Jornalismo e Conflitos Armados.

João Paulo Charleaux (Última Instância)

O curso não se restringe apenas aos estudantes paulistanos, mas sim aos universitários de todo o Brasil que querem ser jornalistas. Todos têm a oportunidade de participar do X Curso de Informação sobre Jornalismo em Conflitos Armados e outras Situações de Violência, que será ministrado de 20 de agosto a 29 de outubro, em São Paulo.

O curso é promovido pela CICV em parceria com a OBORÉ e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, e é realizado pelo Projeto Repórter do Futuro.

Seus principais objetivos consistem em conscientizar os participantes sobre temas do Direito Internacional Humanitário, além de abordar dispositivos legais necessários para analisar, interpretar, opinar e reportar as situações humanitárias resultantes de conflitos armados e situações de tensões internas.

Dentre os palestrantes estão militares, policiais, especialistas em direito internacional e jornalistas, todos apostando no aprendizado complementar sobre as normas internacionais aplicáveis em situações de conflito armado e outras situações de violência, além de situar o trabalho da imprensa nestes contextos.

Clique aqui para baixar o Cartaz Original

Ao todo, são 20 vagas oferecidas exclusivamente a estudantes universitários que tenham interesse nessa área do jornalismo. Os interessados em participar da seleção devem preencher uma ficha de pré-inscrição, disponível de 1º a 15 de agosto na página da OBORÉ: www.obore.com

A seleção será realizada no dia 20 de agosto, durante um encontro de confraternização com a presença do chefe da delegação regional do CICV para Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, Felipe Donoso.

Programação

20 de agosto – sábado – 9 horas
Encontro de confraternização e seleção de candidatos.
Apresentação de Felipe Donoso, chefe da delegação do CICV para Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai.

3 de setembro – sábado – 8h30
Oficial do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx)

10 de setembro – sábado – 8h30
Coronel André Vianna, da reserva da Polícia Militar de São Paulo

17 de setembro – sábado – 8h30
Gabriel Valladares, assessor jurídico do CICV

24 de setembro – sábado – 8h30
Samy Adghirni, jornalista da Folha de S. Paulo e especialista em assuntos do Oriente Médio e política externa

29 de outubro – sábado – 9 horas
Avaliação do curso, entrega de certificados e Reembolsas

A palestra Medidas de proteção para jornalistas em cobertura de conflitos armados foi realizada das 9:00h às 12:30h de 30 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). Os palestrantes foram: João Paulo Charleaux  (e-mail: jpcharleaux@gmail.com),  Andrei Netto  (e-mail: andrei.netto@grupoestado.com.br –download da apresentação) , Sandra Lefcovich(e-mail slefcovich@icrc.org – download da apresentação) e Rodney Pinder (e-mail: pinder.rodney@newssafety.org)


Anúncios

Direito Internacional Humanitário age em favor dos jornalistas em zonas de guerra

Por Maria Clara Lima (4º ano/UNESP)

Foto: Vinicius Gorczeski (4º ano/Metodista)

Sandra Lefcovich, representante da CICV no Brasil.

“O mais seguro é não partir” diz Sandra Lefcovich, representante do Comitê Internacional da Cruz Vermelha no Brasil, em palestra no 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

O jornalista que está, ou irá, a regiões de conflito precisa ter acesso a medidas de proteção. Conhecer seus direitos e deveres, além de saber como agir nestas situações de conflito armado, são atitudes essenciais até mesmo para a própria sobrevivência, comenta Lefcovich.

A palestrante lembra que ao se descolar para uma zona de conflito, o jornalista ou freelance deve se preparar para enfrentar os perigos de um conflito. Cursos de primeiros-socorros, equipamentos especiais e noções do Direito Internacional Humanitário podem assegurar que o repórter não seja ferido – ou até morto – em uma guerra. “Ninguém deve viajar sem seguro de vida, por exemplo”. Outras medidas são essenciais, como por exemplo, não contar com cartões em hipótese alguma; ter sempre alguns dólares na carteira; alugar telefone por satélite; comprar créditos suficientes para o uso intensivo de celular; ter o telefone de ONG, órgãos oficiais e fontes; e manter contato constante com os editores.

Como funciona o Direito Internacional Humanitário

O Direito Internacional Humanitário (DIH) é parte do Direito Internacional e dos Direitos Humanos.  A Cruz Vermelha Internacional é responsável pela manutenção do DIH e aplicação dos Direitos em zonas de conflito. Por ser uma organização filantrópica, o CICV procura restringir a participação majoritária das Nações para que o órgão não se sinta coagido a atender certas necessidades. Hoje em dia, em casos de conflitos, a Cruz Vermelha Internacional mantém o respaldo da comunidade internacional, enquanto a ONU perde a credibilidade com o tempo.

Para contar com o DIH, o jornalista deve estar fora da proteção dos militares. Sandra Lecovich lembra que o trabalho da CICV é para civis, e por isso, quem estiver cobrindo conflitos na condição de jornalista incorporado as forças armadas não será atendido pelo Comitê.  O DIH serve como interlocutor da paz, e estabelece o diálogo entre as partes beligerantes, no intuito de assistir as vítimas dos conflitos.

A assimilação cultural e a mudança do texto em relação a alguns assuntos é uma constante para o CICV, garantindo assim a interculturalidade. Para assegurar o dialogo, a Cruz Vermelha age também como Crescente Vermelho – nas Nações islâmicas. A mudança do emblema garante a identificação entre o Orgão e o povo.

A palestra Medidas de proteção para jornalistas em cobertura de conflitos armados foi realizada das 9:00h às 12:30h de 30 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). Os palestrantes foram: João Paulo Charleaux  (e-mail: jpcharleaux@gmail.com),  Andrei Netto  (e-mail: andrei.netto@grupoestado.com.br –download da apresentação) , Sandra Lefcovich(e-mail slefcovich@icrc.org – download da apresentação) e Rodney Pinder (e-mail: pinder.rodney@newssafety.org)

Difícil relação entre imprensa e governo compromete qualidade da informação na Argentina

Por Maria Clara Lima (4º ano / Unesp)

Foto: Lina Ibañez (publicitária)

Falta de credibilidade gera crise nos meios de comunicação do país

Gabriel Michi (Fopea/Argentina)

“A desconfiança é generalizada”, relata Gabriel Michi, do Fórum de Jornalismo Argentino. Segundo ele, os argentinos estão saturados da militância política nos meios de comunicação e os jornais não confiam nas fontes governamentais. “É um ciclo. O governo não confia nos jornais, os jornalistas estão submetidos as agendas dos veículos e a população à falta de credibilidade de seus periódicos”. Gabriel Michi lembra a crise no jornalismo argentino é um reflexo da história recente do país.

Na década de 1990, o presidente Carlos Menem assumiu uma relação de troca com os meios de comunicação, quando lhes eram favoráveis, concedia favores aos veículos argentinos. O presidente do Partido Peronista tinha como missão resgatar a Argentina da profunda crise economia que assolava o país. No final de seu mandato, em 1999, os jornais iniciaram uma cruzada para que ele não se reelegesse, tendo em vista a situação insustentável que culminou na moratória da dívida externa do país. Durante a “Era Kirchner”, que começou em 2003 com a eleição de Néstor Kirchner, e continua com o mandato de Cristina Kirchner, o relacionamento da imprensa com o governo tornou-se insustentável, e para defender suas receitas, os veículos de comunicação passaram a se submeter cada vez mais a publicidade. De 2003 até 2010, as propagandas de empresas privadas aumentaram de 887 mil para mais de três milhões de dólares. Além disso, a publicidade do governo também cresceu, e passou de 15 mil para cerca de 150 mil dólares. “Se não há propaganda, seja ela oficial ou privada, não há jornal”, explica Hennmann, jornalista brasileiro e ex-correspondente da Folha de S.Paulo na Argentina.

Para piorar a situação, os jornais passaram a depender da agenda política da presidente e do jogo de poder entre o governo e a imprensa. Um exemplo disso é a relação conflituosa com o Grupo Clarín, que deliberadamente desaprova o Governo Kirchner.

Crise econômica e ética

A crise financeira argentina que começou no início dos anos 90 e se agravou em 2001, reduziu o poder de compra da população em torno de 50%. Por isso, a venda de periódicos no país caiu drasticamente, fazendo com que os jornais dependessem cada vez mais do dinheiro obtido pela venda de espaço publicitário.

Apesar da visível recuperação econômica do país, desde 2006 as oscilações no consumo de produtos jornalísticos mostram o reflexo da crise de confiança entre os meios e a população. “Apesar de a economia estar se recuperando, não há sinal de que os periódicos voltarão ao mesmo índice de vendas”, explica Michi. Nos últimos 10 anos, o jornalismo político na argentina vem sendo prejudicado pela relação conturbada entre jornais e órgãos oficiais.

O jornalista Gabriel Michi explica que a dependência econômica dos meios de comunicação às empresas, resultou na falta de credibilidade da imprensa que se tornou cada vez menos imparcial.  A opinião e militância saturaram as publicações e canais que agora enfrentam uma crise com a redução de sua audiência. O partidarismo dos meios de comunicação é excessivo naquele país, e os leitores chegam a classificar a imprensa como “militante”. Segundo ele, a exaltação de alguns jornais chega ao antiprofissionalismo, e o que se vê são denúncias e defesas, onde os interesses públicos acabam ficando em segundo plano. “Enquanto os indícios viram provas nas mãos de alguns repórteres, irregularidades passam despercebidas por outros. Esse tipo de cobertura prejudica a qualidade da informação, ninguém confia em ninguém”, desabafa.

Imprensa argentina tem visão parcial do Brasil 

O jornalista brasileiro Gustavo Hennmann, ex-correspondente da Folha na Argentina, descobriu logo que chegou ao país que não podia contar com as fontes oficiais para fazer seu trabalho. “A maioria dos jornalistas nem tenta mais contato com o Governo. Ficou impossível trabalhar com eles”. Hennmann falou da cobertura feita na Argentina sobre o Brasil. Para ele, a imparcialidade também faz parte da agenda do jornalismo internacional praticado no país. “Eles usam o Brasil como grande exemplo de sucesso, algo que eles deveriam ser. Exaltam a política brasileira e pecam na checagem”. Segundo o jornalista, a maioria dos jornais não podem financiar profissionais para trabalhar no Brasil, e a cobertura é feita quase que somente pela assessoria do governo brasileiro. “Desse jeito, fica difícil fazer uma apuração analítica e profunda”.

A palestra “Desafios da cobertura política na era Kirchner foi realizada das 14h às 12h30 de 1 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). Palestrante:  Gabriel Michi (Fopea/Argentina) foi mediado pelo jornalista Gustavo Hennemann (Folha de S.Paulo) 

Investigação criminal e os avanços tecnológicos na área

Por Aline Santana (4º ano/Mackenzie)

Foto: Luana Copini (4º ano/Mackenzie)

Em formato inusitado, com um dos participantes via Skype, aconteceu no sábado (3) a palestra “DNA: o avanço das investigações policiais”, com a participação de Joe Blozis, ex-chefe do CSI (Crime Scene Investigation) da Polícia de Nova York, Hélio Buchmüller, presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais e Steve Weinberg, diretor-executivo da Investigative Reporters and Editors (IRE). Eles discutiram o uso de tecnologias cada vez mais sofisticadas na investigação.

Joe Blozis (CSI Polícia de Nova York)

Blozis explicou como funciona o trabalho da polícia novaiorquina e, muito bem humorado, chegou a dizer que era bem diferente do que assistimos nos seriados de televisão, “As ferramentas de investigação não estão tão avançadas assim”.

Um dos pontos principais apontados pelo policial que comandou o CSI de Nova York durante 13 anos foi quando falou da investigação criminal baseada nos traços de DNA do local do crime. Também mostrou a importância de um banco de dados e como este é um caminho para se precisar como se deu o crime, evitando assim que inocentes paguem por atos que não cometeram.

E utilizando-se da tecnologia para enriquecer a discussão, por meio do Skype Weinberg comentou sobre os avanços e o uso da tecnologia da apuração e investigação jornalística em seu país.

Buchmüller expôs o projeto brasileiro de banco de DNA, que funcionaria com a esfera estadual em parceria com a Polícia Federal. Buchmüller frisou que as tecnologias em investigações criminais andam a passos lentos no Brasil. A palestra seguiu à discussão sobre a disponibilização do banco de DNA para investigações criminais e qual o papel da imprensa para divulgar a causa no Brasil, na medida em que ajudaria a Justiça a obter provas mais contundentes sobre determinado crime e, principalmente, sobre os culpados.

A palestraDNA: o avanço das investigações policiais” foi realizada das 11h às 12h30 de 2 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). Palestrante(s): Hélio Buchmüller (Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais)Joe Blozis (CSI Polícia de Nova York) Steve Weinberg (diretor-executivo da Investigative Reporters and Editors)

Violência agrária no Brasil é menos pautada por correspondentes, afirma jornalista

Por Taina Mansani (Cientista Social/ USP e jornalismo/ Cásper Líbero)

Foto: Vinicius Gorczeski (4º ano/Metodista)

Nos últimos anos, o tema da violência agrária no Brasil perdeu espaço no noticiário internacional. A redução dos casos de conflitos agrários e a desmobilização do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) são alguns dos motivos. A avaliação é da correspondente internacional no Brasil do jornal argentino “Clarín”, Eleonora Gosman.

Eleonora Gosman (Clarín)

“Vamos reconhecer que durante o período Lula a atividade do MST foi menor, seja porque estavam muito ligados ao PT, ou por outros motivos”, acrescenta. Outra dificuldade apontada pela jornalista é a distância entre as regiões do Brasil. “Por ser um país grande, para quase tudo é preciso avião”, afirmou.

A última notícia sobre o tema violência agrária noticiada por Gósman foi a morte da missionária Dorothy Stang (2005), decorrente de conflitos agrários contra fazendeiros. Desde então, ela tem feito coberturas mais relacionadas a temas econômicos.

Apesar de perder espaço no noticiário internacional, o problema persiste no Brasil. No último dia 24 de maio o casal de extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo foi assassinado a tiros no Pará, por conta de conflitos contra a ação de madeireiros.

A palestra O Brasil visto de fora: o trabalho dos correspondentes foi realizada das 9h as 11h30 no dia 02 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). O palestrante foi a jornalista Eleonora Gosman (Clarín).

Kristinn responde aos jornalistas

Kristinn Hrafnsson, representante do Wikileaks, falou sobre ética, dinheiro e motivações no jornalismo, durante a coletiva de imprensa da palestra Wikileaks – impactos dos vazamentos para o jornalismo investigativo no 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

Por Maria Clara Lima (4º ano/Unesp)

Kritinn Hrafnsson

Que tipo de desafios éticos vocês encaram em divulgar tanta informação? 

Nós trabalhamos com uma política restrita onde não devemos soltar informações inúteis que possam causar danos a alguma pessoa intencionalmente. Não vamos dizer que  não iremos falar em nomes ou citar nomes nos documentos. É quase necessário dizer que quando envolvemos ofícios políticos, técnicos ou pessoas em poder.  Nós temos o compromisso com as pessoas que não têm esse poder. Nós somos frequentemente chamados de inconsequentes, eu posso dizer que essas pessoas estão erradas, nós temos sido bastante cuidadosos. Há histórias grandes que soltamos sobre o Iraque, Afeganistão, missões diplomáticas em todo o mundo e Guantanamo, nenhuma pessoa foi prejudicada nesse processo. Esses relatórios são conhecidos pelo governo dos Estados Unidos, pelo Pentágono, pela OTAN, por oficiais do Afeganistão , e só porque divulgamos algumas declarações desses documentos nós estamos sendo descuidados. Isso está errado. Quando os documentos sobre o Iraque foram lançados, nós tivemos um cuidado de marcar algumas informações que poderiam causar algum efeito negativo.

Qual a importância que o Bradley Manning teve para o Wikileaks?

Você disse que o Bradley Manning foi a fonte do material que estamos lançando nos últimos 14 meses, alegam que ele é a fonte, eu não tenho conhecimento sobre se ele é a fonte ou não.   Ele está encarando um julgamento difícil, e se ele for de fato a fonte desses documentos, ele é o mais importante informante da atualidade, em minha opinião ele é um herói e deve ser solto.    Ele [Manning] está preso em uma solitária há 10 meses, foi despido e humilhado, impedido de dormir, torturado. O Wikileaks não aconteceu de uma vez só, começou em 2006 e até o ano passado já tínhamos soltado algumas informações. O projeto que desenvolvemos em 2010, de permitir a informação aos documentos que tínhamos foi um resultado disso. Mas se Bradley Manning foi o informante, sem ele não teria sido o mesmo. Por causa do vazamento desses documentos, pudemos expor alguns governos como o Queniano, onde ocorria corrupção e matanças, o da Costa do Marfim e o derramamento de lixo tóxico, coisas erradas que aconteciam no setor de bancos. A coisa engraçada é que sempre fomos vistos como anticapitalistas, antiamericanos, mas eu amo a Primeira Emenda, e chego a desejar que os americanos fossem mais fãs dos princípios da Primeira Emenda, mas eles pareceram esquecer o que é liberdade e democracia O Wikileaks para de funcionar amanhã, mas o nosso trabalho não foi terminado, porque a ideia está aí, e isso é o mais importante.

Você leu o livro Wikileaks do editor do The Guardian? 

Sim, eu li o livro do David Lee e seu parceiro [Luke Harding], e o mais interessante é o que está faltando nas informações. Há um exemplo que eu gosto muito. A primeira página do livro conta uma anedota sobre o Julian Assange, dizendo que por causa de sua paranoia, ele se vestiu de mulher para tentar escapar de um hotel, entrou em um beco escuro e partiu em um carro vermelho batido. Não havia carro batido algum, porque fui eu quem alugou o carro, e era uma minivan preta! Alguns amigos dele ouviram a história e contaram na redação do “The Guardian”, mas ele nem estava lá. Eu tirei a foto do Julian vestido de mulher e mostrei a um jornalista, que contou a história para David. Por que o Julian estava vestido assim? Era tudo uma brincadeira. Pegamos o casaco da Natalia [Viana], um cachecol e tiremos fotos. David Lee pegou essa piada e usou para mistificar a imagem de excêntrico do Assange.

Gostaria que o senhor falasse da diferença entre investigar documentos públicos e documentos de empresas privadas.

Não há diferença em termos de técnica jornalística de investigação, já que a posse do nosso material não está ligada de onde ele vem. Algumas informações são extremamente técnicas e difíceis de ler, como os documentos com linguagem militar que recebemos sobre o Iraque. Depois dessa fase, partimos para a apuração e verificação dos documentos, para a investigação.

 Você considera o jornalismo colaborativo caro? Qual a relação entre o jornalismo de qualidade e o dinheiro?

Dinheiro sempre foi um fator difícil no jornalismo. Estou lendo um livro editado pelo John Pilgrim sobre suas matérias e investigações, e o que me chama atenção é que há momentos que não há dinheiro, ou sofremos censura, e até temos que trabalhar de graça até conseguirmos o primeiro furo, a primeira grande história. Há aqueles jornalistas tradicionais que se acomodam a receber informações e apenas distribuí-las.  Até mesmo na grande mídia, podemos enfrentar situações assim, empresas diminuem o orçamento e não há dinheiro para fazer matérias investigativas, e mesmo assim há aqueles que fazem e conseguem uma boa apuração. É aprender a se virar, e aí entra a importância do jornalismo colaborativo. Internet, blogs, comunicação virtual, tudo isso ajuda na hora de se escrever uma história. Temos a estrutura da redação, mas de maneira independente. Há blogs assim na Romênia, na Bulgária. Ao compartilhar esses dados, os jornalistas estão colaborando para apuração de outros que não podem ir até lá. Temos que ter a convicção de que não trabalhamos para as organizações midiáticas, nem para enriquecer nosso perfil, nem para o governo, e sim para o público.

As perguntas foram feitas durante a palestra Wikileaks – impactos dos vazamentos para o jornalismo investigativo foi realizada das 09h às 10h30 de 01 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). A mesa foi moderada pelo jornalista Fernando Rodrigues (e-mail frodriguesbsb@uol.com.br). Os palestrantes foram:  Kristinn Hrafnsson (e-mail kristinn@ruv.is) e Natalia Viana (e-mail viana.natalia@gmail.com)

Jornalistas dos principais jornais do país narram experiências de cobertura na Líbia

Por Juliana Conte (jornalista)

Vida de repórter não costuma ser fácil. Daqueles que vão cobrir diretamente do front então… Nem se fala.

Andrei Netto é correspondente do “Estado de S.Paulo”  e Samy Adghirni da “Folha de S. Paulo”. Ambos passaram momentos bastante delicados durante a cobertura internacional que realizaram sobre os conflitos no Oriente Médio, principalmente na Líbia, país em que Netto ficou preso e totalmente incomunicável durante oito dias.

“Uma das partes mais complicadas era falar com a mulher do Andrei sobre a situação dele. Quer dizer, não havia o que falar, mas eu precisava mostrar para ela de alguma maneira que a situação estava sob controle…O que teoricamente não estava”, contou Samy, que deu apoio a esposa de Andrei, no período em que ele ficou preso.

O correspondente do Estadão resolveu fazer um trajeto que não estava sendo trilhado pela maior parte dos repórteres que foram para a Líbia. A estratégia, traçada com o editor do jornal, era dar maior visibilidade ao lado oeste do país que estava totalmente sem cobertura.

“A nossa intenção era alcançar Trípoli rapidamente, pois pensávamos que as fronteiras logo iriam cair. Passamos mais de 36 horas para conseguir entrar. Entrei com o Ghaith Abdul-Ahad, jornalista iraquiano do The Guardian. Ele foi muito importante, já que falava árabe”.

Após serem liberados partiram para a cidade de Zabrata (pró Kadafi) e lá caíram em uma emboscada e foram sequestrados.

A comunidade internacional, na época, não tinha noção do que acontecia com os jornalistas presos naquele país, pois Andrei e Ghaith foram um dos primeiros a serem presos.

Ele conta que no dia que foi solto dormiu na casa do embaixador brasileiro e quando chegou, a televisão estava ligada no canal da Al Jazeera. Quando viu a notícia sobre a sua libertação, se deu conta da dimensão que o caso tinha tomado:

“Só ali, quando vi minha imagem estampada na televisão, percebi a mobilização dos órgãos internacionais (incluindo a Abraji) para a nossa soltura. Sou imensamente grato”.

Samy que é descendente de marroquinos escreveu inúmeras matérias para o jornal “Folha de S.Paulo”. Ele não chegou a ficar preso, no entanto, diz que passou por momentos em que teve que reunir forças para não chorar.

“ Ver corpos de crianças carbonizadas, muito sofrimento, gente desaparecida”.

Ele comenta ainda que durante a cobertura, no calor dos acontecimentos, o jornalista tende a se blindar contra esses fatos, perdendo até um pouco da sensibilidade. O estresse acaba aparecendo depois. Samy disse que tomou consciência do sofrimento das pessoas, do risco que passou, quando retornou ao Brasil. Levou alguns dias para conseguir dormir e ficar em paz com a sua consciência.

A palestra  Conflitos no mundo árabe – notícias do front foi realizada das 16h às 17h30 de 1º julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). O palestrante foi

6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo

De jornalistas para jornalistas, o maior encontro do país.

Interessados poderão se inscrever nos dias do evento.

http://bit.ly/6congresso

Realizado anualmente desde 2005 pela Abraji, o congresso reúne jornalistas, estudantes e professores de jornalismo interessados nas melhores práticas jornalísticas e técnicas de reportagem.

A sexta edição do evento é organizada em palestras e workshops simultâneos, concentrados em um eixo temático principal: jornalismo on-line. Além disso, a programação de 2011oferece painéis sobre crime organizado, política, megaeventos esportivos, fundamentos da reportagem, técnicas de RAC (Reportagem com Auxílio do Computador) e outros temas.

Venha aprender com alguns dos melhores jornalistas do Brasil e do mundo.
Local: Universidade Anhembi Morumbi – Campus Vila Olímpia (Unidade 7)
Rua Casa do Ator, 275
São Paulo, Brazil

Página no Facebook

O 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo é uma realização da Abraji e da Universidade Anhembi Morumbi, com o patrocínio de Claro e Tetrapak, o apoio do Centro Cultural da Espanha em São Paulo, do Knight Center for Journalism in the Americas, do Open Society Institute, da Ogilvy, do Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo e a parceria do Fórum de Acesso a Informações Públicas, do Centre for Investigative Journalism , da UNESCO e da OBORÉ.