Arquivo do autor:gessicabrandino

Especialista denuncia mau uso do dinheiro público para a Copa e Olimpíada

Por Géssica Brandino (jornalista)

Foto: Vinicius Gorczeski (4º ano/Metodista)

Lucro para as empreiteiras e prejuízo para a população. É esse o cenário previsto pelo professor da Universidade Federal Fluminense e geógrafo, Chris Gaffney, para a Copa de 2014 e para a Olimpíada de 2016. Há dois anos ele estuda os impactos das obras e os benefícios gerados no cenário urbano e social.

Para Gaffney, a falta de planejamento e adequação dos projetos ao plano diretor das cidades pode gerar o mau uso do dinheiro público. Segundo ele, o fluxo de turistas e o estímulo ao consumo não deveriam ser os focos dos projetos das obras, como têm ocorrido. “Reestruturar uma cidade pelo turismo, como fez Atenas em 2004, não está certo. O turismo no Brasil não move muita coisa, porque só recebe seis milhões de pessoas por ano”.

Chris Gaffney (UFF)

Ele criticou as mudanças que estão projetadas no Rio de Janeiro na área de transporte. Segundo o geógrafo, o projeto está priorizando a zona sul, onde a demanda de transporte é menor. Em compensação, o alto número de passageiros de Niterói e da zona norte não está sendo considerado.

A mesma falta de lógica, de acordo com ele, está presente nos projetos dos novos estádios. “A arquitetura exuberante está sendo valorizada, em compensação, estão deixando de lado a interação com o público, prevendo espaços maiores para áreas vips, diminuindo a capacidade dos estádios”, disse.  Ele questiona o argumento de que tais empreendimentos trarão desenvolvimento e novos investimentos para as cidades, uma vez que os estádios não funcionam diariamente.

“Estamos com uma previsão de oito bilhões de reais, sendo cinco bilhões de investimentos públicos em estádios, e sabemos, de antemão, que quatro deles serão elefantes brancos: Natal, Manaus, Cuiabá e Brasília, onde não há times de futebol nem na terceira divisão”, frisou Gaffney. Para garantir a manutenção desses estádios, será necessário, segundo o especialista, um investimento anual de no mínimo seis milhões de dólares.

O Maracanã foi citado como exemplo do mau uso do dinheiro público. Em 1999, foram investidos 60 milhões de reais para colocação de cadeiras para o mundial da Fifa. Para as obras do Pan, foram gastos R$320 milhões para uma nova adequação e, quatro anos depois, tudo o que foi feito foi demolido para a Copa do Mundo. “Vamos chegar a quase dois bilhões de reais investidos no estádio do Maracanã nos últimos dez anos. Em compensação a capacidade do estádio será reduzida de 180 mil para 75 mil pessoas”, destacou.  O dinheiro poderia ser melhor gasto, por exemplo, se investido no esporte de base e melhoria da estrutura das escolas. Apenas 15% das escolas fluminenses têm áreas de lazer.

“A cidade constrói o estádio e tem que entregar para a Fifa durante o mês da Copa. Na África do Sul, durante a Copa, a dívida chegou a 6 bilhões de dólares enquanto que no mesmo período o lucro da Fifa chegou a 4 bilhões de dólares. É uma transferência de dinheiro público para os cofres da Fifa”, finalizou.

O geógrafo fez uma denúncia. Falou do impacto negativo para a administração pública das cidades com a renúncia fiscal gerada pela construção da hotéis no padrão cinco estrelas:  “O que vai acontecer com esses hotéis, que não tem que pagar IPTU até 2022 e são financiados pelo BNDES no Brasil inteiro?”.

O pesquisador destacou a importância de se identificar a geografia de interesses existentes por trás das grandes obras, seja por motivos políticos como econômicos, para que os profissionais da imprensa não se tornem meros reprodutores das declarações da FIFA e da COI. Para completar, citou uma lista com as empresas mais beneficiadas com as obras da Copa e da Olimpíada: Odebrecht, OAS, Carioca, Carvalho Hosken, Delta e empresas internacionais de aço, concreto, engenharia. “Temos que saber quais são os interesses econômicos, políticos, qual a geografia desses interesses”.

A palestra “Impactos urbanísticos das obras para Copa e Olimpíada no Brasil”  foi realizada das 9h às 10h30 de 2 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, como parte do 6º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). Palestrante: Chris Gaffney (UFF) geostadia@gmail.com. Moderador: José Roberto de Toledo (O Estado de S. Paulo/Rede TV/Abraji). Clique para download da apresentação.

A vida como narrativa

Por Géssica Brandino (jornalista)

Colaboração de Juliana Conte (jornalista)

Uma sala lotada por jornalistas à procura de uma boa história e dos segredos para contá-la. A expressão dos jovens que preenchiam o espaço era de reverência. Como na obra de Rodin, “O Pensador”, a maioria mantinha o rosto sobre as mãos, na posição de ouvinte. Atenção voltada para uma jornalista que, com a fala doce e calma, falava sobre a importância de escutar o outro, observar cada detalhe, duvidar, complicar a pauta e perceber que aquilo que é silenciado é tão fundamental quanto o que é dito para que uma vida seja contada.

Eliane Brum (freelancer)

Assim, Eliane Brum narrou a história de HusteneCosta Pereira,que ela acompanha há nove anos.  Em2002, arepórter encontrou nele a personificação da pobreza contemporânea trazida pelo desemprego. Hustene era um excluído, que sentia falta dos bens de consumo aos quais havia tido acesso. A vergonha por não trabalhar o fazia se esconder dos vizinhos durante o dia e passar a noite em claro. O desespero e stress eram tamanhos que ele perdeu 30 dos 32 clientes durante esse período. Apesar de tudo, ele tinha uma trindade que o sustentava: religião, ideologia e o Corinthians. Como um filho que conta coisas à mãe, Hustene escrevia, num diário, para Nossa Senhora de Fátima. Já para comentar sobre sua visão política, traçava linhas para Che Guevara. Além disso, desde 1974, montava álbuns sobre a história do time do coração. “A vida é a narrativa da vida e o Hustene narrava a dele de um jeito muito particular”, contou Eliane.

Segundo a repórter, é preciso estar atento a tudo, pois o que parece trivial pode ser a peça chave para decifrar alguém. “A realidade é muito mais complexa do que aquilo que é dito. É aquilo que não é dito, o que quase foi dito,  o silêncio. A realidade é cheiro, textura e gestos. É tudo isso. A nossa obrigação, como jornalistas, como repórteres, é dar a complexidade do real”, ressaltou.

Mesmo após a publicação de “O Homem estatística”, ao final do governo FHC, a jornalista não rompeu o contato com os Costa Pereira. Na verdade, a família não deixou que ela, que esteve tão presente como “escutadeira”, deixasse a vida deles da noite para o dia. Por meio de telefonemas, emails, mensagens e visitas a repórter continuou a acompanhar a saga do brasileiro.

Em maio de 2005, Hustene finalmente conseguiu um emprego e chegou à classe C, a nova classe média brasileira. A mudança não foi meramente econômica.  A mesa, na qual antes havia arroz com limão, hoje está farta de carne. A vida deles, na qual o futuro era incerto, hoje está repleta de sonhos. Foi somente em 2009 que Eliane, ao ser convidada para uma palestra sobre o governo Lula, percebeu que tinha em mãos uma reportagem pronta sobre o período.  “Uma família no governo Lula”, publicada no início de 2011, é o retrato vivo de uma história que vai do desespero à esperança.

“O exemplo da família do Hustene é magistral, no sentido que ela nos dá a perspectiva de que nós, jornalistas, ainda podemos continuar sonhando em transformar o mundo. Com uma revolução? Não. Mas com a qualidade do texto e a investigação do nosso trabalho, que ajuda a formar novas consciências”, finalizou o jornalista Celso Falaschi, moderador da palestra.

A palestra “Uma família no governo Lula” foi realizada das 14h às 16h30 de 02 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, com parte do 6° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). A mesa foi moderada pelo jornalista Celso Falaschi A palestrante foi Eliane Brum elianebrum@uol.com.br http://www.twitter.com/brumelianebrum. Clique para ler a reportagem Uma família no governo Lula e A história dentro da história.