A vida como narrativa

Por Géssica Brandino (jornalista)

Colaboração de Juliana Conte (jornalista)

Uma sala lotada por jornalistas à procura de uma boa história e dos segredos para contá-la. A expressão dos jovens que preenchiam o espaço era de reverência. Como na obra de Rodin, “O Pensador”, a maioria mantinha o rosto sobre as mãos, na posição de ouvinte. Atenção voltada para uma jornalista que, com a fala doce e calma, falava sobre a importância de escutar o outro, observar cada detalhe, duvidar, complicar a pauta e perceber que aquilo que é silenciado é tão fundamental quanto o que é dito para que uma vida seja contada.

Eliane Brum (freelancer)

Assim, Eliane Brum narrou a história de HusteneCosta Pereira,que ela acompanha há nove anos.  Em2002, arepórter encontrou nele a personificação da pobreza contemporânea trazida pelo desemprego. Hustene era um excluído, que sentia falta dos bens de consumo aos quais havia tido acesso. A vergonha por não trabalhar o fazia se esconder dos vizinhos durante o dia e passar a noite em claro. O desespero e stress eram tamanhos que ele perdeu 30 dos 32 clientes durante esse período. Apesar de tudo, ele tinha uma trindade que o sustentava: religião, ideologia e o Corinthians. Como um filho que conta coisas à mãe, Hustene escrevia, num diário, para Nossa Senhora de Fátima. Já para comentar sobre sua visão política, traçava linhas para Che Guevara. Além disso, desde 1974, montava álbuns sobre a história do time do coração. “A vida é a narrativa da vida e o Hustene narrava a dele de um jeito muito particular”, contou Eliane.

Segundo a repórter, é preciso estar atento a tudo, pois o que parece trivial pode ser a peça chave para decifrar alguém. “A realidade é muito mais complexa do que aquilo que é dito. É aquilo que não é dito, o que quase foi dito,  o silêncio. A realidade é cheiro, textura e gestos. É tudo isso. A nossa obrigação, como jornalistas, como repórteres, é dar a complexidade do real”, ressaltou.

Mesmo após a publicação de “O Homem estatística”, ao final do governo FHC, a jornalista não rompeu o contato com os Costa Pereira. Na verdade, a família não deixou que ela, que esteve tão presente como “escutadeira”, deixasse a vida deles da noite para o dia. Por meio de telefonemas, emails, mensagens e visitas a repórter continuou a acompanhar a saga do brasileiro.

Em maio de 2005, Hustene finalmente conseguiu um emprego e chegou à classe C, a nova classe média brasileira. A mudança não foi meramente econômica.  A mesa, na qual antes havia arroz com limão, hoje está farta de carne. A vida deles, na qual o futuro era incerto, hoje está repleta de sonhos. Foi somente em 2009 que Eliane, ao ser convidada para uma palestra sobre o governo Lula, percebeu que tinha em mãos uma reportagem pronta sobre o período.  “Uma família no governo Lula”, publicada no início de 2011, é o retrato vivo de uma história que vai do desespero à esperança.

“O exemplo da família do Hustene é magistral, no sentido que ela nos dá a perspectiva de que nós, jornalistas, ainda podemos continuar sonhando em transformar o mundo. Com uma revolução? Não. Mas com a qualidade do texto e a investigação do nosso trabalho, que ajuda a formar novas consciências”, finalizou o jornalista Celso Falaschi, moderador da palestra.

A palestra “Uma família no governo Lula” foi realizada das 14h às 16h30 de 02 de julho de 2011, na sede da universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, com parte do 6° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, promovido pela Abraji (www.abraji.org.br). A mesa foi moderada pelo jornalista Celso Falaschi A palestrante foi Eliane Brum elianebrum@uol.com.br http://www.twitter.com/brumelianebrum. Clique para ler a reportagem Uma família no governo Lula e A história dentro da história.

Anúncios

Sobre gessicabrandino

Jornalista, técnologa em Rádio e TV e pós-graduanda em Jornalismo Internacional, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Desenvolve um livro reportagem sobre a vida dos refugiados no Brasil. Direitos humanos, segurança pública, desigualdade social, relações internacionais e economia política são seus temas de interesse.

Publicado em 5 de julho de 2011, em Política e administração pública e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Legal. Mas só lembrando: O Pensador é de Rodin, não Michelangelo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: